segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Funcionária do mês

Todos os dias Maria batia o ponto às 8 horas da manhã.
Sentava à sua mesa extremamente bagunçada. Havia papeis, souvenirs de viagens que os colegas lhe traziam, papeis e plásticos, restos de comida. Havia também várias canetas que não escreviam e máquina que não datilografava.
Curioso, eram aquelas recomendações, certificados e a plaquinha de funcionária excelente que ela ostentava com tamanho orgulho na parede esquerda de sua sala minúscula. Ela colocara aquelas molduras de excelência bem à sua vista. Ela era a melhor.
Não havia dúvidas, Maria era a melhor no que fazia. Todos a agradeciam por seu trabalho, elogiavam e pediam conselhos.
Mas Maria não queria agradar à todos aqueles outros. Ela queria a graça de seu chefe. Isso Maria já tinha. Todos os dias, fazia horas extras e nos fins de semana lá estava ela, fazendo o melhor dos trabalhos, escutando, esperando, estando disponível. Funcionária do mês doze vezes por ano.
Maria era a melhor pessoa-objeto que eu já vi. Excelente e sempre usável.
Hoje seu chefe não veio, não pediu nada, não questionou nada, não apareceu.
Maria guardou todas as suas coisas em caixas de papel sulfite usadas:
- Vou mudar de emprego!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Zé pinga reclama da vida

- Não estampe essa felicidade, mostre dor. Seja genuíno. Está tudo uma bosta mesmo, não está?
- Não.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Buraco e dor

Tem um buraco enorme. Carne exposta. Vermelha e purgante. Mas vai sarar. Tem aquele remédio. Aquele você sabe qual.
Tempo?
Ou punhal?